Destaques

Imperialismo - Neocolonialismo - Século XIX


Raízes do Imperialismo 
As raízes do imperialismo estão no século XIX, mas seu auge se encontra no inicio do século XX. O imperialismo representou a ação das grandes potências mundiais de sua época (Inglaterra, França, Alemanha, Rússia, EUA e Japão) sobre as regiões menos desenvolvidas (Ásia, África e América) com a finalidade de controlar o mercado e a economia destas regiões.

O Imperialismo
O interesse dos imperialistas era de controlar as fontes de matérias-primas (petróleo, carvão, minérios, etc.). Fato que acirrou as diferenças entre a indústria formada pelos cartéis e a indústria independente. 

Outro fator determinante para o surgimento do capitalismo imperialista foi o que diz respeito ao monopólio bancário.

Os bancos, inicialmente empresas intermediárias (que faziam intermediação entre a indústria e o comércio), tornaram-se monopolistas do capital financeiro (dinheiro) disponível.

Também é importante entendermos que o monopólio teve origem no colonialismo. Ao conquistar um novo território, as nações imperialistas (Inglaterra, França, Alemanha, Rússia, EUA e Japão) pretendiam ter o controle total das matérias primas e do comércio da região conquistada.

Porém, a criação desta estrutura de controle comercial e industrial pôs fim à livre concorrência, surgindo assim, o monopólio. Os monopólios possuem uma tendência natural para a dominação, portanto, puseram fim na liberdade de mercado. As nações ricas – Inglaterra, França, Alemanha, EUA e Japão - dominaram e exploraram um número cada vez maior de nações pequenas. Esses fatores determinaram o surgimento do imperialismo.

Os Cartéis e os Trustes
Os cartéis, formados pelas principais indústrias e bancos das nações ricas, repartiram os mercados entre si, passando a determinar o que, quanto, quando e quem deve fabricar. Fixando preços e repartindo os lucros entre suas empresas.

Alguns cartéis chegavam a dominar de 70% a 80% da produção de determinados produtos. A superioridade dos trustes em comparação às empresas independentes se fazia clara na grande diferença tecnológica. Enquanto a maior parte das indústrias independentes possuía maquinários rudimentares, os cartéis iam aprimorando cada vez mais sua produção, substituindo gradualmente a produção manufatureira (feita à mão) pela produção mecânica. 

Estas diferenças foram caracterizando os anos que se passaram. A concorrência foi gradualmente se transformando em monopólio. 

Os trustes e os cartéis passaram a controlar as principais jazidas de minérios e matérias-primas do mundo (principalmente na Ásia, na África e na América). A partir disso passaram a dominar a distribuição destes materiais, assim como controlavam a industrialização dos produtos oriundos destas matérias-primas.

O controle das grandes indústrias se refletiu no monopólio das matérias-primas e da mão-de-obra (através de acordos com os sindicatos). Os trustes e cartéis controlavam os meios de transporte e determinavam o fechamento de mercados que não interessavam mais. Também criaram políticas de baixa de preços para eliminar com a concorrência independente (que não fazia parte dos trustes/cartéis). Não se trata mais de livre concorrência, mas de extermínio daqueles que não se submetem aos cartéis.

O Auge do Imperialismo
As políticas imperialistas não tardaram em acirrar as rivalidades entre as potências europeias da década de 1910.

Quanto mais a economia alemã crescia, mais sua rivalidade com a Inglaterra era ampliada. Por outro lado, desde a Guerra Franco-Prussiana de 1870, alemães e franceses rivalizavam pelo território da Alsácia-Lorena. 

Nesta época, a Belle Epóque, ocorria a Paz Armada onde as grandes potências mundiais realizavam uma corrida bélica, porém, sem que existisse uma guerra declarada. As nações se armavam, investiam em tecnologia militar, mas sem que existisse um conflito.

Para garantir mercado consumidor aos seus produtos, a Alemanha forjou uma aliança política-econômica-militar com o Império Austro-Húngaro, com a Itália e com o Império Turco-Otomano, porém, o grupo logo teria a saída dos italianos, pressionados pelos ingleses. O grupo liderado pelos alemães foi batizado de Tríplice Aliança. 

Com isso, nos mesmos moldes, Inglaterra e França, inimigas históricas, se uniram à Rússia na Tríplice Entente. 

O cenário para a guerra estava armado, faltava que alguém iniciasse o conflito.

Assim, em julho de 1914, o arquiduque austríaco Francisco Ferdinando, herdeiro do trono do império austríaco, em visita à Sérvia, foi assassinado por um radical bósnio. Tal fato levou o imperador austríaco a declarar guerra à Sérvia.

Como a Rússia era aliada dos sérvios, posicionou-se ao lado destes contra a Áustria, o que levou os alemães a alinharem-se aos seus parceiros austríacos. Era o início da Primeira Guerra Mundial.

Conclusão
É inegável o avanço tecnológico proporcionado pelo desenvolvimento de uma indústria potente como a surgida a partir das políticas imperialistas. Porém, estas políticas resultaram numa desigualdade econômica como nunca antes fora vista. As diferenças entre as nações ricas do G-8 atual (EUA, Canadá, França, Inglaterra, Alemanha, Itália, Japão e Rússia) e as nações do chamado Terceiro Mundo são gritantes.

Aquilo que foi semeado naquela época nos traz reflexos negativos até os nossos dias. Como por exemplo: os problemas ecológicos (desmatamento, poluição, etc.) e de má distribuição de renda, são reflexos destas políticas.

Também devemos lembrar que a natureza é uma criação divina e, portanto, não pertence a uma única pessoa ou a um único grupo e que ao homem coube o papel de administrar esta natureza de forma que não a elimine, mas que zele por ela, preservando-a e conservando-a. 

Disponível em www.historialivre.com 

Nenhum comentário

Deixe seu comentário. Em breve, resposta.