Destaques

Brasil Colônia - Expansão Territorial - União Ibérica - Tratado de Madri - Questões de Vestibulares - Gabarito



1. (Fuvest) Entre as mudanças ocorridas no Brasil Colônia durante a União Ibérica (1580 - 1640), destacam-se 
a) a introdução do tráfico negreiro, a invasão dos holandeses no Nordeste e o início da produção de tabaco no recôncavo Baiano. 
b) a expansão da economia açucareira no Nordeste, o estreitamento das relações com a Inglaterra e a expulsão dos jesuítas. 
c) a incorporação do Extremo-Sul, o início da exploração do ouro em Minas Gerais e a reordenação administrativa do território. 
d) a expulsão dos holandeses do Nordeste, a intensificação da escravização indígena e a introdução das companhias de comércio monopolistas. 
e) a expansão da ocupação interna pela pecuária, a expulsão dos franceses e o incremento do bandeirismo. 

2. (Vunesp) A partir de 1750, com os Tratados de Limites, fixou-se a área territorial brasileira, com pequenas diferenças em relação a configuração atual. A expansão geográfica havia rompido os limites impostos pelo Tratado de Tordesilhas. No período colonial, os fatores que mais contribuíram para a referida expansão foram: 
a) criação de gado no vale do São Francisco e desenvolvimento de uma sólida rede urbana. 
b) apresamento do indígena e constante procura de riquezas minerais. 
c) cultivo de cana-de-açúcar e expansão da pecuária no Nordeste. 
d) ação dos donatários das capitanias hereditárias e Guerra dos Emboabas. 
e) incremento da cultura do algodão e penetração dos jesuítas no Maranhão. 

3. (Cesgranrio) A expansão da Colonização Portuguesa na América, a partir da segunda metade do século XVIII, foi marcada por um conjunto de medidas, dentre as quais podemos citar: 
a) o esforço para ampliar o comércio colonial, suprimindo-se as práticas mercantilistas. 
b) a instalação de missões indígenas nas fronteiras sul e oeste, para garantir a posse dos territórios por Portugal. 
c) o bandeirismo paulista, que destruiu parte das missões jesuíticas e descobriu as áreas mineradoras do planalto central. 
d) a expansão da lavoura de cana para o interior, incentivada pela alta dos preços no mercado internacional. 
e) as alianças políticas e a abertura do comércio colonial aos ingleses, para conter o expansionismo espanhol. 

4. (Fuvest) Entre 1750, quando assinaram o Tratado de Madrid, e 1777, quando assinaram o Tratado de Santo Ildefonso, Portugal e Espanha discutiram os limites entre suas colônias americanas. Neste contexto, ganhou importância, na política portuguesa, a ideia da necessidade de: 
a) defender a colônia com forças locais, daí a organização dos corpos militares do centro-sul e a abolição das diferenças entre índios e brancos. 
b) fortificar o litoral para evitar ataques espanhóis e isolar o marquês de Pombal por sua política nitidamente pró-bourbônica. 
c) transferir a capital da Bahia para o Rio de Janeiro, para onde fluía a maior parte da produção açucareira, ameaçada pela pirataria. 
d) afastar os jesuítas da colônia por serem quase todos espanhóis e, nesta qualidade, defenderem os interesses da Espanha. 
e) aliar-se política e economicamente à França para enfrentar os vizinhos espanhóis, impondo-lhes suas concepções geopolíticas na América. 

5. (Fuvest) Em 1694, uma expedição chefiada pelo bandeirante Domingos Jorge Velho foi encarregada pelo governo metropolitano de destruir o quilombo de Palmares. Isto se deu porque: 
a) os paulistas, excluídos do circuito da produção colonial centrada no Nordeste, queriam aí estabelecer pontos de comércio, sendo impedidos pelos quilombos. 
b) os paulistas tinham prática na perseguição de índios, os quais aliados aos negros de Palmares ameaçavam o governo com movimentos milenaristas. 
c) o quilombo desestabilizava o grande contingente escravo existente no Nordeste, ameaçando a continuidade da produção açucareira e da dominação colonial. 
d) os senhores de engenho temiam que os quilombolas, que haviam atraído brancos e mestiços pobres, organizassem um movimento de independência da colônia. 
e) os aldeamentos de escravos rebeldes incitavam os colonos à revolta contra a metrópole visando trazer novamente o Nordeste para o domínio holandês. 

6. (Uel) No Brasil Colônia, a pecuária teve um papel decisivo na 
a) ocupação das áreas litorâneas. 
b) expulsão do assalariado do campo. 
c) formação e exploração dos minifúndios. 
d) fixação do escravo na agricultura. 
e) expansão para o interior. 

7. (Cesgranrio) Apesar do predomínio da agromanufatura açucareira na economia colonial brasileira, a pecuária e a extração das "drogas do sertão" foram fundamentais. A esse respeito, podemos afirmar que: 
a) ocorreu uma grande absorção da mão-de-obra escrava negra, particularmente na pecuária. 
b) a presença do indígena na extração das "drogas do sertão" foi essencial pelo conhecimento da geografia da região nordeste. 
c) por serem atividades complementares, a força de trabalho não se dedicava integralmente a elas. 
d) ambas foram responsáveis pelo processo de interiorização do Brasil colonial. 
e) possibilitaram o surgimento de um mercado interno que se contrapunha às flutuações do comércio internacional. 

8. O sertanismo (ou bandeirismo) de contrato, tinha por atividade: 
a) a exportação de drogas do sertão; 
b) a busca de metais preciosos para o governo português; 
c) o tráfico negreiro para a Inglaterra; 
d) a captura de índios para escravizá-los; 
e) combater revoltas de índios e negros e destruir os quilombos. 

9. (Mackenzie) A historiografia tradicional atribui ao bandeirismo o alargamento do território brasileiro para além de Tordesilhas. 
Sobre esta atividade é correto afirmar que: 
a) jamais converteu-se em elemento repressor, atacando quilombos ou aldeias indígenas. 
b) as Missões do Sul foram preservadas dos ataques paulistas, devido à presença dos jesuítas espanhóis. 
c) na verdade, o bandeirismo era a forma de sobrevivência para mestiços vicentinos, rudes e pobres e a expansão territorial ocorreu de forma inconsciente como subproduto de sua atividade. 
d) eram empresas totalmente financiadas pelo governo colonial, tendo por objetivo alargar o território para além de Tordesilhas. 
e) era exercida exclusivamente pelo espírito de aventura dos brancos vinculados à elite proprietária vicentina, cujas lavouras de cana apresentavam grande prosperidade. 

10. (Cesgranrio) A formação do território brasileiro no período colonial resultou de vários movimentos expansionistas e foi consolidada por tratados no século XVIII. Assinale a opção que relaciona corretamente os movimentos de expansão com um dos Tratados de Limites: 
a) A expansão da fronteira norte, impulsionada pela descoberta das minas de ouro, foi consolidada nos Tratados de Utrecht. 
b) A região missioneira no sul constituiu um caso à parte, só resolvido a favor de Portugal com a extinção da Companhia de Jesus. 
c) O Tratado de Madri revogou o de Tordesilhas e deu ao território brasileiro conformação semelhante à atual. 
d) O Tratado do Pardo garantiu a Portugal o controle da região das Missões e do rio da Prata. 
e) Os Tratados de Santo Ildefonso e Badajós consolidaram o domínio português no sul, passando a incluir a região platina. 

11. (Unirio) A definição dos limites do Brasil colonial em diversos tratados, durante o século XVIII, foi o resultado político de vários movimentos, dentre os quais se destaca na região sul o(a): 
a) interesse português no rio da Prata, materializado na fundação da Colônia do Sacramento. 
b) necessidade natural de ocupação de novas terras para a "plantation" canavieira. 
c) proteção portuguesa aos aldeamentos indígenas, contrariando a política espanhola de escravização do gentio. 
d) disputa pela posse das zonas mineradoras na região platina. 
e) interferência do Papado na negociação do Tratado de Madri para resguardar as zonas missioneiras. 

12. "A Guerra Guaranítica foi a revolta dos missioneiros guaranis contra as imposições do Tratado de Madri, que os obrigava a abandonar suas terras, moradias, plantações e rebanhos. O acordo de 1750 favorecia as monarquias ibéricas, defendendo seus interesses na região, mas prejudicava gravemente os indígenas." 
(QUEVEDO, Júlio. A GUERRA GUARANÍTICA. São Paulo: Ática, 1996. p.29.) 

Com base no texto, é correto afirmar: 
a) Os índios reagiram à dominação colonial, porque defendiam exclusivamente o Império Teocrático organizado pela Igreja Católica, que se sobressaía na América, através da Companhia de Jesus. 
b) Os missioneiros guaranis estavam desaculturados do "ser" índio devido à tirania jesuíta, portanto defendiam somente os interesses dos padres. 
c) A guerra expressou a luta dos missioneiros guaranis que não queriam se transformar numa espécie de "sem terra" do século XVIII, visto que suas terras foram doadas aos soldados espanhóis. 
d) A guerra representou um dos raros momentos de reação indígena, organizada contra as imposições da Coroa e dos colonizadores luso-espanhóis. 
e) Os missioneiros guaranis enfrentaram os exércitos luso-espanhóis, porque estavam organizando uma confederação indígena antiespanhola.

2 comentários:

Deixe seu comentário. Em breve, resposta.