Achados manuscritos cristãos raros


Descobertas arqueológicas recentes podem revelar ao mundo os primeiros rituais religiosos dos cristãos egípcios, conhecidos como coptas. Três manuscritos coptas do século 5, em diferentes tamanhos e estados de conservação, foram encontrados em março último num túmulo faraônico de 2000 a.C, em Gurna, a 700 quilômetros ao sul do Cairo, pela equipe do pesquisador Thomas Gorik.
No século 4, sob dominação romana, o cristianismo tornou-se a religião oficial do Egito. Em 395, com a divisão do Império Romano em dois (e o Egito passando a fazer parte da porção oriental), o cristianismo mesclou-se com valores culturais locais, adquirindo características próprias e distintas do cristianismo romano. Essa diferença ficou ainda mais acentuada em 451, com a formação da Igreja Copta (a ruptura se deu porque os egípcios não aceitaram a visão romana de que Cristo teria uma natureza humana, além da divina).
Pergunta 1: o que os manuscritos faziam na tumba faraônica? De acordo com Zahi Hawass, secretário-geral do Conselho Supremo de Antigüidades Egípcias, os documentos escondidos podem evidenciar "a perseguição que sofriam os coptas durante o império romano". Pergunta 2: o que motivava essas perseguições? "Desde o século 1, uma das grandes preocupações dos governantes era controlar os grupos dissidentes que ameaçavam o poder político e a integridade do império", afirma Cássio de Araújo Duarte, especialista em arqueologia egípcia da USP.
A resposta completa, porém, pode estar nos manuscritos encontrados. Os arqueólogos acreditam que eles contenham as interpretações coptas para os evangelhos. Decifrando-os, será possível entender o nível de diferença entre as crenças e a razão das perseguições.

por Fernanda Almeida
Compartilhe no Google Plus

Sobre Jarlison Augusto

Quer contribuir conosco? Envie-nos seu material!
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Em breve, resposta.